Seminário Vicentino 2021 “O homem ferido…Quem nos libertará do medo?”

A 24 de Janeiro de 2021, pela primeira vez, o Seminário Vicentino foi transmitido na plataforma Zoom, num único dia e para toda a Sardenha, em vez de dois dias diferentes, um para o Norte e outro para o Sul da nossa ilha, como sempre foi feito. A transmissão em directo deste Seminário ficará na história pela forma como foi vivida, devido à pandemia. Um único dia, portanto, de formação para todos os membros, dedicado ao estudo e aprofundamento da espiritualidade e do ensino de S. Vicente de Paulo.

Os grupos pertencentes à Família Vicentina reuniram-se virtualmente, ligando-se de Sassari, Olbia e Cagliari: leigos e leigas das Conferências de São Vicente fundadas pelo Beato Federico Ozanam, as Irmãs de Santa Jeanne Antida Thouret, as Irmãs da Congregação do Getsémani criada pelo Padre Manzella, um missionário Vicentino, o maior grupo de Voluntários Vicentinos, os sacerdotes da Missão que trabalham em Sassari e Cagliari, as Filhas da Caridade que são bem conhecidas em todos os cantos da nossa terra.

A introdução ao Seminário foi confiada ao Padre Bruno Gonella CM que, sem parar para lamentar não poder realizar o evento em presença, afirmou que tudo tinha sido feito para o realizar através da Web, em alegre comunhão com toda a família Vicentina na Sardenha. Após um breve momento de oração orientado pelo Padre Beppe Crobu, Superior da Casa da Missão em Cagliari, o orador do seminário, Padre Nicola Albanesi CM, introduziu o tema do dia de estudo: “O homem ferido … quem nos libertará do medo?” O orador sublinhou bem como São Vicente diante do homem ferido (e a Pandemia é para todos nós uma ferida também difícil de sarar) viveu o desafio da fé, ele, o nosso mestre que continua a ensinar-nos a curvar-se sobre as feridas da humanidade sofredora do nosso tempo.

No cerne do relatório estão algumas questões que sempre nos desafiaram, relativamente ao amor que nós vicentinos temos pelos pobres: o que é e de onde vem o nosso amor? Muitas vezes foi-nos dito que devemos fazer um esforço para amar os outros, para superar uma antipatia, para lidar com uma situação repugnante, de alguma forma fomos levados a acreditar que o amor ao próximo depende da nossa boa vontade. Certamente o amor pelos nossos irmãos e irmãs, começando pelos mais pequenos, requer a nossa actividade e um certo empenho, mas estes brotam de uma realidade aceite nas profundezas de nós próprios, onde o Amor é generalizado.

O Padre Nicola esclareceu-nos sobre o que deve ser para nós a autêntica fonte do amor, aquilo que anima a nossa acção caritativa: “A fonte do nosso amor nada mais é do que o Amor recebido. Nasce da consciência de que Deus nos ama. A caridade é sempre o fruto da acção de Cristo em nós! Compreende-se então como um coração penetrado pelo Amor de Cristo conhece não só o amor ao próximo, mas também o dom da oração!  O amor pelos pobres requer uma fé viva, uma busca incessante e contínua do Rosto de Deus. O amor de Deus, manifestado em Cristo e derramado através do Espírito, nutre o amor pelos pobres, sustenta-o em tempos de provação, desperta-o em tempos de crise e protege-o quando corre o risco de falhar. Assim, a comunidade que reza, que contempla o mistério de Cristo, que vive em comunhão ajudando uns aos outros é o lugar onde tiramos de uma fonte de amor incondicional da qual tiramos a força para amar os não amados, aqueles que acham mais difícil acreditar no amor e estar abertos à beleza da vida”.

Na conclusão do Seminário, ouvimos com alegria a breve intervenção do Bispo de Cagliari, Monsenhor Giuseppe Batturi, que nos exortou a sentirmo-nos empenhadas na construção da boa face da Igreja que hoje satisfaz as necessidades das pessoas. Desejando que o Seminário Vicentino de 2022 possa ser realizado em presença, fazemos nossas as palavras de São Vicente citadas pelo Padre Nicola no final da reunião:

“A melhor maneira de assegurar a nossa felicidade eterna
é viver e morrer ao serviço dos pobres, nos braços da divina providência,
na total renúncia de nós mesmas no seguimento a Jesus Cristo”.

Artigos semelhantes

Médio Oriente

A ternura de Deus

Os seis países da província do Médio Oriente têm as suas raízes na Bíblia: “Ciro, rei da Pérsia [IRÃO dos

Ler mais…