Um raio de Nossa Senhora brilha também na prisão – Turim

Santa Catarina Labouré

Todas as noites, na sua cela, Costanza senta-se no seu beliche, evitando todo o barulho, e pega nos seus papéis nos quais conta um pouco da sua vida como prisioneira, e todas as semanas envia à sua mãe o seu diário, na esperança de que compreenda o quanto a sua filha ama a sua família e o quanto se sente culpada por estar na prisão durante dois anos. Foi nas primeiras entrevistas do novo ano que a mãe de Costanza se despediu da sua filha da pior maneira possível, dizendo-lhe que esta seria a última vez que a visitaria na prisão porque não suportava a ideia de estar lá. Nessa ocasião, a mãe de Costanza foi-se embora, sem a abraçar ou se virar para dizer adeus, como costumava fazer.

É indescritível como uma filha se sente na prisão quando já não tem contacto com a sua família, especialmente a sua mãe; quando o julgamento da sua mãe coincide com o de pessoas anónimas, que consideram os prisioneiros, qualquer que seja a razão da sua prisão, dignos de um julgamento severo. Constanza tinha recebido das Irmãs uma pequena medalha de Nossa Senhora de Paris, a da Rue du Bac. Ela ficou fascinada com a história de Cataina Labouré e Nossa Senhora que se queixa à sua vidente de que os seus filhos se esquecem de pedir as graças.

A rapariga vê uma estrada aberta que ela quer seguir. Ela confia-se à Virgem Maria e pouco a pouco fica tranquila. No início da novena para a festa da Medalha Milagrosa, Constance escreveu uma carta especial à sua mãe e começou a rezar para que a Virgem da Rue du Bac brilhasse um raio dos seus anéis, também para ela. A 27 de Novembro ela repetiu a oração: Ó Maria concebida sem pecado, reza por nós que recorremos a ti mil vezes, inventando um sistema engenhoso para contar a invocação, uma vez que ela não podia usar a coroa. Ela desejava ver a sua mãe novamente e voltou-se para Nossa Senhora, implorando que lhe fosse concedido o seu desejo.

Uma manhã – na véspera de Natal – ela ouve o oficial de serviço dizer: “Costanza, rápido, prepara-te, estás na lista de entrevistas, não sei quem está lá”. Com estas palavras a rapariga deixa de arrumar a cela, num instante veste a sua melhor roupa, tira um cartão de Natal, que ela própria preparou, e junta-se aos seus colegas reclusos, à espera de entrar na sala de entrevistas.

Assim que entrou, encontrou ali toda a sua família, incluindo a sua mãe. Após alguns minutos de emoção geral, Costanza voltou-se para a sua mãe com uma voz confiante: “Mamã, hoje um raio de luz brilhou das mãos de Nossa Senhora, para ti e para mim. Eu sabia que a pequena Madonna de Paris ter-me-ia ouvido e escutado. E ela conta das aparições de Nossa Senhora a Catarina Labouré, e da evocativa e bela história da Medalha Milagrosa.

Mas a maior surpresa foi quando a sua mãe confiou a Costanza que ela tinha aceite a sua sugestão, indicada na carta, e que também ela tinha recitado a ejaculatória a Nossa Senhora mil vezes, a 27 de Novembro, juntamente com a sua filha na prisão e por amor a ela, sem saber exactamente a razão da invocação repetida tantas vezes.

“O raio de Nossa Senhora”, confidenciou Costanza às irmãs, “quebrou as barras dos nossos corações e mentes”. Estou feliz, muito feliz. Mesmo aqui dentro. Quando sair irei com a minha mãe, para agradecer a Nossa Senhora”.

Tirado da Informação Vicentina, Ano XXII-5/7-2021-Junho/Julho

Artigos semelhantes

Médio Oriente

A ternura de Deus

Os seis países da província do Médio Oriente têm as suas raízes na Bíblia: “Ciro, rei da Pérsia [IRÃO dos

Ler mais…