«L’escale» Luísa de Marillac em Fresnes, uma experiência de Ephata

Entre o medo e a confusão que frequentemente atingem os parentes dos prisioneiros, as Filhas da Caridade estão lá; quatro irmãs e alguns voluntários para manter as portas e os corações abertos para as famílias dos prisioneiros. Desde a chegada das duas primeiras Filhas da Caridade em Fresnes em 1755 para cuidar dos doentes e ensinar as crianças, a Companhia, movida pelo Espírito, nunca deixou de estar aberta ao chamado contínuo de Cristo na pessoa dos pobres. Irmã Madeleine nas ambulâncias, outra na lavanderia, algumas na porta, no dispensário, na escola feminina… tudo isso em colaboração com os habitantes de Fresnes: nada menos que duas comunidades na mesma rua.

A casa de hóspedes para pessoas libertadas da prisão

Em 1904, após a separação da Igreja e do Estado (lei Combes), as irmãs acolheram cerca de uma centena de meninas. A irmã Servente na época, Irmã Carola, obteve permissão para manter a casa aberta. Em agradecimento, ela mandou fazer uma chave para simbolizar a abertura, que ela colocou aos pés da estátua da Virgem, na capela da Comunidade. Desde então, a “abertura” tem permanecido no coração dos projetos comunitários das Filhas da Caridade em Fresnes.

A casa principal da Comunidade e para as famílias dos presos

Hoje, uma comunidade multicultural de quatro Irmãs anima o trabalho de L’Escale Louise de Marillac e tenta viver o Ephata diariamente. L’Escale é um refúgio e alojamento seguro, um refúgio de paz para as famílias dos prisioneiros encarcerados nas prisões de Fresnes, Fleury-Mérogis ou outros centros de detenção na região d’Ile de France. Acolhemos principalmente famílias de províncias a mais de 200 km de Paris ou de outros países.

Tania, a nossa actual hóspede

L’Escale foi aberta em Agosto de 1989 em resposta a um apelo das famílias dos prisioneiros. Desde então, as portas sempre estiveram abertas; a Comunidade vive ao ritmo das visitas à prisão a fim de oferecer um lugar onde as famílias possam descansar e relaxar antes e/ou depois de uma difícil visita a um membro da família encarcerado. Acima de tudo, é necessário salvaguardar os laços emocionais e familiares que podem ser rompidos durante o encarceramento, o julgamento e a libertação, pois a prisão desestabiliza e enfraquece os laços familiares. A idéia de abrir a L’Escale foi muito controversa na época porque o ambiente prisional era assustador. Para as Irmãs, era uma questão de derrubar os muros do medo com a audácia da caridade a fim de se abrir, de ir ao encontro dessas famílias.

A Comunidade teve que se adaptar ao longo do tempo e de acordo com os acontecimentos, a fim de responder às necessidades do momento, permanecendo atenta e aberta a novos desafios. Durante este período da pandemia, outras chamadas individuais ou chamadas de conselheiros de liberdade condicional e integração e associações parceiras que trabalham em prisões foram recebidas, com pedidos para receber pessoas saindo da prisão, pessoas em situações muito precárias e migrantes buscando ajuda, a curto ou longo prazo, de acordo com as necessidades.

Para viver em tal missão é necessário um enraizamento na oração, um coração a coração com o Senhor que nos diz incessantemente: «Todas as vezes que fizestes isso a um destes meus irmãos mais pequeninos, foi a mim» (Mt 25,40). Como Maria, ele nos chama a estar sempre atentos às necessidades das pessoas quaisquer que sejam suas crenças, raças ou culturas, a escutá-las e, muitas vezes, a permanecer em silêncio e falar apenas com um simples gesto ou um sorriso, pois as palavras podem parecer ocas. Devemos ouvi-los, e muitas vezes ficar em silêncio e falar apenas com um simples gesto ou um sorriso, porque as palavras podem parecer ocas, ininteligíveis e inúteis diante da profundidade de suas tragédias familiares: “Tranquilizai-vos, sou eu. Não tenhais medo!”.Mateus, 14, 27.

O Jardim

Artigos semelhantes

Médio Oriente

A ternura de Deus

Os seis países da província do Médio Oriente têm as suas raízes na Bíblia: “Ciro, rei da Pérsia [IRÃO dos

Ler mais…